quinta-feira, 26 de abril de 2012

Drops copeiros (do Brasil)

Começaram as peleias válidas pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil, com 3 jogos disputados ontem à noite. Aqui cabe uma análise do contexto, pois acompanhei en directo (além do VT) apenas alguns minutos da vitória do Palmeiras sobre o Paraná, em Curitiba. Das 3 partidas, apenas 1 deu “a lógica”, onde o time de Série A se sobressaiu sobre o de Série B e encaminhou sua classificação, no caso do Alviverde (“Imponente”, como escreveu Antônio Sergi) paulista. Bahia e, principalmente, Goiás também se mantém com boas possibilidades para o jogo de volta.

Como referi anteriormente, o Palmeiras conseguiu um grande resultado, vencendo o Paraná, na Vila Capanema, por 1-2. Depois da surpreendente eliminação no Paulistão, para o Guarani, os comandados de Felipão sacudiram a poeira, deram a volta por cima, e botam um pé nas quartas-de-final da Copa. O resultado foi melhor que a atuação, tomando como base os minutos que acompanhei, uma vez que o Palmeiras tem enormes dificuldades na armação das jogadas, sendo muito dependente dos rompantes de velocidade de Mazinho, estreante da noite, e, óbvio, das bolas paradas executadas cirurgicamente por Marcos Assunção, que abriu o placar cobrando falta, aos 22’. Previsibilidade e eficiência dos paulistas.

Surpreendeu a gana que jogaram os Tricolores das Araucárias, tanto os 11 dentro do campo, quanto os cerca de 15 mil nas arquibancadas. Mesmo estando nas 2ªs divisões do Brasil e do Paraná, o time mostrou brios, correndo como loucos, e ainda buscariam o empate antes do fim da 1ª etapa, com o meia Luisinho, aproveitando rebote do goleiro Bruno. No 2º tempo, mesmo abaixo de frio e chuva, o jogo ficou quente, com o Paraná vendo que poderia virar o jogo, e o Palmeiras aproveitando as brechas que a (fraquíssima) marcação dos paranistas proporcionava. A correria desenfreada se manteve, entretanto os times não foram suficientemente criativos para tirar o 1-1 do placar.

Aos 33’ da 2ª etapa, Henrique cometeu pênalti absurdo em Patrik, que o seu xará converteu. Palmeiras na frente, e com ótima vantagem para o jogo de volta. O Paraná precisará vencer por 2 ou mais gols de diferença, ou até por 1, desde que por 2-3 ou mais; qualquer outro resultado qualifica os alviverdes para enfrentar o vencedor de Cruzeiro-Atlético/PR, que começam a se degladiar na próxima quarta-feira, na mesma Vila Capanema. A não ser que aconteça um grande acidente, maior até que a eliminação palmeirense no Estadual, Felipão e sua trupe estarão na próxima fase. Mas nas quartas-de-final a exigência será infinitamente maior, aí não sei não... O Paraná, com esse time, certamente volta à elite paranaense, e não cairá na Série B.

Nas outras 2 partidas, mais confrontos Série A vs Série B. No Serra Dourada, o Goiás recebeu o até então invicto em 2012 Atlético/MG. Até então, pois o esmeraldino se impôs, de forma até surpreendente, e venceu com total autoridade o time de Cuca, por 2-0, gols do eterno pretendido pela dupla Gre-Nal Rafael Tolói, e Ricardo Goulart, em jogada do glorioso Ramón(stro). Confronto em aberto, pela melhor capacidade do time mineiro. O vencedor pega São Paulo-Ponte Preta. Já no Canindé, Portuguesa e Bahia fizeram um jogo morno na estréia de Geninho nos lusitanos. O Bahia jogou melhor, e deve confirmar classificação para pegar Grêmio ou Fortaleza. Hoje jogam Ponte Preta-São Paulo e Coritiba-Paysandu.

Um comentário:

  1. Sou colorada mas gostei do teu trabalho e do Carlos parabéns e Jhon!

    ResponderExcluir